Lideranças discutem falta de Plantão Médico aos fins de semana no Hospital
Você está em: Câmara de Vereadores de Iporã do Oeste, transparência e credibilidade .: Notícias
  • Lideranças discutem falta de Plantão Médico aos fins de semana no Hospital
  • Resumo da 20ª Sessão Ordinária da 2ª Sessão Legislativa da 7ª Legislatura da Câmara Municipal de Vereadores de Iporã do Oeste - SC

    Lideranças discutem falta de Plantão Médico aos fins de semana no Hospital 

    Iporã do Oeste – Foi realizada na noite de segunda-feira, 23, a vigésima Sessão Ordinária do ano de 2014. Seis matérias deram entrada na Casa, entretanto, o assunto principal da noite foi a reunião convocada pela Câmara entre vereadores,  profissionais e gestores da saúde pública do Município, especialmente, ligados ao  Hospital Nossa Senhora das Mercês que encontra déficit nos atendimentos de Plantão Médico aos fins de semana.

                Constada a presença regimental, o presidente Mário Darci Ribeiro de Freitas, deu início a Sessão com a leitura das correspondências e votação da Ata da Sessão anterior, a qual recebeu aprovação por unanimidade no Pequeno Expediente.

                Nas Matérias do Dia, deu entrada o Projeto de Lei Complementar 02/2014 que altera parcialmente a Lei Complementar 013 de 08 de setembro de 1997 e alterações posteriores, que institui o Sistema de Cargos e Vencimentos da Administração  Municipal e fixa suas diretrizes e dá outras providências. Também deu entrada o Projeto de Lei 025/2014 que autoriza o Poder Executivo Municipal a efetuar a abertura de crédito adicional suplementar no orçamento do Município de Iporã do Oeste para o exercício de 2014.

                Ainda nas Matérias do Dia, deu entrada o Projeto de Lei 026/2014 que altera, atualiza e consolida a Lei 0808 de 29 de outubro de 2001 e alterações posteriores que dispõe sobre a reorganização administrativa pública do Município de Iporã do Oeste dá outras providências. Também foi lido em plenário o Projeto de Lei Legislativo 01/2014 que dispõe sobre a reorganização do quadro de pessoal, institui novo Plano de Classificação de Cargos Vencimentos dos Servidores efetivos da Câmara Municipal de Vereadores de Iporã do Oeste, Estado de Santa Catarina e dá outras providências. Os quatro Projetos de Lei ficam baixados nas Comissões Permanentes para os devidos pareceres e retornam para discussão e votação na próxima semana.

                Como matéria individual, o vereador Nilo João Ghilardi apresentou a Indicação 028/2014 que indica ao chefe do Poder Executivo Municipal para que através da secretaria competente realize a recuperação urgente (patrolamento e cascalhamento) da estrada geral que liga as comunidades de Taipa Alta à Quilombo e ainda realize a recuperação do acesso às propriedades das famílias Heming, Schroeder e Bonenberg na La. Taipa Alta, interior deste Município de Iporã do Oeste.

                No Grande Expediente, o secretário de administração e finanças da Prefeitura Valtuir Marco Dal Bosco usou o espaço para explicar os Projetos que deram entrada na noite e sanou as dúvidas dos vereadores.

                Na Ordem do Dia, foi aprovado em primeira votação o Projeto de Lei 024/2014 que autoriza a realização de despesas relacionadas aos eventos e competições esportivas do Municípios e dá outras providências. Também foi aprovado por unanimidade em segunda votação o Projeto de Lei 023/2014 que altera a Lei que concede o auxílio-alimentação aos servidores públicos ativos em geral da Administração Pública Municipal direta e indireta e dá outras providências.  

    Na Explicação Pessoal, o presidente da Câmara Mário Riberio de Freitas destinou o espaço para uma ampla discussão buscando encontrar uma solução para a falta de plantões médicos no Hospital Nossa Senhora das Mercês de Iporã do Oeste. A situação em debate ocorreu, tendo em vista, que, atualmente, os Municípios de Iporã do Oeste e Mondaí se intercalam nos plantões, ou seja, dois finais de semana por mês, os munícipes iporãoestinos quando procuram o plantão são levados pela Prefeitura para serem atendidos no Município vizinho.

                O primeiro a usar o espaço foi o presidente Mário, que agradeceu a presença do diretor do hospital Renato Celante, presidente Almir Trevisan, médicos Rodrigo, Denise, Luís, Diogo e Melina; e também dos representantes do Poder Executivo Municipal, secretários e, em especial o prefeito Ilton Pedro Vogt. Ribeiro de Freitas destacou que o encontro foi promovido a partir do entendimento coletivo dos vereadores em buscar entender e resolver o problema, para que se volte a oferecer plantão médico todos os finais de semana no Nossa Senhora das Mercês. Também destacou que “eles, como vereadores, representantes do povo, sentiram essa cobrança por parte da população e por isso querem ajudar a encontrar uma solução”.

                Na sequência falou o presidente do Hospital Almir Trevisan, que destacou que o Hospital busca fazer o melhor possível para atender a população, no entanto, muitas vezes esbarra na falta de recursos e/ou profissionais. Enalteceu que o problema não é só do Hospital de Iporã, mas de todos os pequenos Hospitais do país, que são muito limitados financeiramente e muitas vezes não conseguemdispor de todos os serviços que a população necessita no Município, “essas parcerias muitas vezes são necessárias para que possamos atender a população, como agora acontece com o Hospital de Mondaí”, disse.

                Por sua vez, o diretor do Hospital Renato Celante, iniciou sua fala enaltecendo que na Constituição Federal está claro que a Saúde é dever do Estado e não do Munícipio.  Explicou que atualmente Iporã do Oeste possui dois médicos para realizar os plantões nos fins de semana, sendo o Dr. Rodrigo Weriang e Luís Carlos Babosa. “Mas, eles também merecem e precisam de suas folgas, por isso, estamos intercalando com Mondaí, dois fins de semana são aqui e dois lá por mês”, explicou. Os demais médicos do Município, por livre vontade, não querem ou não podem fazer plantão, “mas nem mesmo assim por um valor maior fazem plantão em outros municípios. É umas opção deles não fazer plantão e nós entendemos perfeitamente, já que a carga de trabalho nos ESF já grande”, explica. Celante salientou ainda a grande demanda de atendimento nos plantões, sendo totalmente, superior a média do estado e do país. “Não sei o que acontece aqui em Iporã, mas, o número de atendimentos é muito superior a média. Se compararmos com Itapiranga, por exemplo, que tem quase o dobro da população, eles tem 200 emergências ao mês em média e aqui chegamos a 700”, destaca. Isso também é outro fator que acaba não atraindo os profissionais, já que acaba-se assumindo um risco e o Hospital de Iporã, a exemplo da grande maioria dos pequenos Hospitais, não dispõe de uma estrutura necessária para um atendimento mais amplo para os profissionais. Entretanto, segundo ele, há luz no fim do túnel. Primeiro deve acontecer até o fim de julho, a “referenciação” do Hospital para se encaixar numa das redes de atendimento do Ministério da Saúde e se isso vir a se confirmar, os recursos que vem deste programa, acabam suprindo o recurso necessário para manter o plantão médico em Iporã. Para resolver o problema, imediatamente, segundo Celante, é buscar através das esferas estadual ou municipal mais recursos para que o Hospital possa oferece ao invés de R$ 50 a hora para o profissional, oferecer R$ 100: “Se tivermos cem reais a hora, arrumamos profissional para atender. Mas, hoje, com o que tenho não posso pagar”, disse.

                Já a secretária Lúcia Marx Melz afirmou que é a partir da Educação em Saúde que o Município vai passar a resolver definitivamente este problema, sendo que, segundo números apresentados por ela, os atendimentos tanto nos ESF, quanto no Hospital, crescem muito aceleradamente ao longo dos anos e isso acaba comprometendo o atendimento, “já que os recursos nos Municípios são limitados e vai chegar um momento que não vai mais se conseguir suprir toda essa demanda. Por isso, a Educação em Saúde é importantíssima para vencermos esse problema”. A secretária aproveitou o momento para destacar os avanços conquistados no Posto de Saúde e também da parceria com o Hospital que só tem crescido nos últimos anos. Falou que hoje se dá maior atenção a prevenção e a promoção da Saúde, fazendo com que as pessoas sejam mais conscientes, entendam seu corpo, se cuidem mais e saibam quando é emergência e urgência para buscar assistência no Hospital: “Os atendimentos hoje estão acima da média, no Hospital, no Posto, por isso, precisamos focar na prevenção e na promoção de Saúde, essa é uma saída para não chegarmos ao limite da nossa capacidade de atender os munícipes”. Finalizou dizendo que o grande número de atendimentos no Hospital, não tem haver com a falta de atendimento no Posto, já que hoje há cinco médicos a disposição e o posto está sempre atendendo: “Todos os profissionais cumprem sua jornada de trabalho e atendem muito bem a população”, disse. Os médicos Rodrigo Werlang e Luís Carlos Barbosa também deram suas contribuições, destacando que o problema não é só em Iporã do Oeste, mas sim, regionalmente, porque faltam profissionais. Werlang deixou claro ainda que não é por uma questão financeira que os demais médicos que atuam no ESF não fazem plantão, mas sim, por uma opção própria ou por não poderem. “Ninguém deixa de fazer plantão aqui por um valor menor e vai a outro Hospital da região”, esclareceu.

                O prefeito Ilton Pedro Vogt usou o espaço para falar sobre sua preocupação e dedicação constante em melhor cada dia mais o atendimento da saúde pública do Município. Destacou a conquista dos cinco médicos nos ESF, do médico Rodrigo Werlang para o atendimento durante o dia e nos plantões no Hospital, mas, entendeu que é necessário buscar uma solução para que o plantão seja integral em Iporã do Oeste, “todos os dias”. Destacou a grande parceria da Administração Municipal com o Hospital que desde 2012, ou seja, em apenas um ano e seis meses à frente da Prefeitura, já aumentou o repasse para o Hospital em quase 43%. “Estamos trabalhando, empenhados para melhor sempre, mas sabemos que a demanda está cada vez maior e podemos logo, logo chegar a um limite”, destaca. O prefeito salientou seu empenho junto ao Ministério da Saúde buscando referenciar o Hospital de Iporã: “Buscamos desde o início do Governo projetos para fortalecer nosso Hospital e, além disso, buscar soluções definitivas para a questão financeira e, agora estamos próximos de conquistar a “referenciação” de clínica médica, aí passamos a entender toda região e com essa demanda, o recurso que será encaminhado, dará uma tranquilidade financeira para o Hospital e os plantões serão regularizados definitivamente”, explica. O resultado para a efetivação deste pleito deve ocorrer no final de julho. Entretanto, até isso não ocorrer o prefeito se comprometeu em voltar a conversar com a diretoria do Hospital para ver o valor necessário para manter efetivamente o plantão nos fins de semana em Iporã, para ver se consegue viabilizar o repasse via cofres públicos municipais, ou, busca junto a outras esferas.

                O presidente Mário agradeceu a presença de todos e disse que os vereadores também vão se engajar nesta luta para resolver definitivamente este problema no Município. Encerra a pauta do dia, Ribeiro de Freitas agradeceu a presença de todos e convidou para a próxima Sessão Ordinária que acontece no dia 07 de julho.